O povo indígena Kariri-Xocó vive principalmente no município de Porto Real do Colégio, no estado de Alagoas. Sua população é de aproximadamente 5000 indígenas.

 

Sua cultura pertence ao tronco linguístico Macro-Jê, subgrupo Dzibukuá. O nome Kariri-Xocó significa “encontro entre o mar e o rio” e está relacionada com as margens do Rio São Francisco que ladeiam a aldeia, enquanto que a palavra “dzibukuá” significa “esperança”..

 

Além da aldeia, a comunidade possui na reserva um outro local de moradia, onde habitam durante certos períodos do ano, por ocasião dos rituais do Ouricuri.

 

O Ouricuri é um retiro religioso secreto, onde, de quinze em quinze dias ao longo do ano há a realização de rituais e, anualmente no mês de janeiro, não é permitida a entrada de indivíduos não-pertencentes à comunidade, sendo considerado pelos membros da etnia como um espaço sagrado. Durante esse período, os indígenas se mudam para a outra aldeia, também chamada Ouricuri, distante cerca de cinco quilômetros do local onde habitam, levando quase tudo que têm, incluindo animais de criação.

 

O povo Kariri-Xocó vive do artesanato, feito a partir do uso da palha do ouricuri, de sementes, cabaças, ossos, madeira e da cerâmica, comercializado nas feiras livres da região, da agricultura de subsistência e de alguma criação de bovinos e suínos. Ainda praticam a caça e a pesca.

Suas manifestações culturais incluem a dança e a música. As danças dos Kariri-Xocó são inspiradas em vários animais e aves, em elementos da natureza tais como a água e o Sol, sendo o toré e a cafurna, as mais tradicionais.

 

Com informações de Gilson de Souza Ferreira (Cacique Iradzu)