O município de Piracicaba é considerado por muitos pesquisadores como um dos berços da cultura caipira, e nessa perspectiva a presença negra, também representativa localmente – graças ao fluxo migratório de negros bantos trazidos para o antigo “Oeste paulista” durante os séculos XVIII e XIX pelo fluxo de mão de obra escravizada causado por fatores tais como o declínio das plantações de café do Vale do Paraíba Fluminense e Paulista e anteriormente das áreas produtoras de açúcar no Nordeste – tem um destaque especial ao ser a mantenedora de tradições que podem ser enquadradas em um universo próprio, uma tradição afro-caipira, pois além de manter as suas bases originárias na cultura africana recriada no Brasil, também conserva elementos comuns a outras manifestações do universo caipira, próprio do interior do estado de São Paulo, mais especificamente da região do Médio Tietê.

É neste vasto conjunto cultural que temos ainda em atividade o Batuque de Umbigada, ou Caiúmba, a Congada e o Samba Lenço, sempre dividindo espaços com a Viola Caipira, a Catira e, em grande escala, com o Cururú, já que muitos cantadores desse gênero musical também são praticantes do Batuque e do Samba.

No entanto, dentre essas manifestações do universo afro-caipira, o Samba Lenço era o gênero de maior invisibilidade no espaço público local já havia algumas décadas, embora sobrevivesse na memória de alguns núcleos familiares, transmitido pela oralidade, sem a prática corporal da dança.  Foi assim que, a partir de uma busca intensa, conseguimos em parceria com outros ativistas culturais concretizar um sonho antigo, o de tornar o Samba Lenço novamente acessível para mais pessoas da comunidade negra piracicabana e demais interessados.

Esta ação somente foi possível graças a fundamental presença do Mestre Antonio Carlos Ferraz, um grande conhecedor que, com mais de 90 anos, ainda praticava o Samba Lenço, uma expressão coreográfico-musical que sempre manteve em sua família, sobretudo filhos e netos.

Em decorrência dessa iniciativa, nascia no ano de 2007, já sob a coordenação de uma de suas netas, Ediana Maria de Arruda Raetano, o grupo de Samba Lenço de Piracicaba “Mestre Antonio Carlos Ferraz“.

Hoje o grande responsável por este trabalho já não está entre nós, mas a sua memória é sempre lembrada a cada moda cantada nas apresentações do grupo, sendo então imortalizado através de uma cultura que procurou por toda a sua vida preservar e difundir.

Por Antonio Filogenio de Paula Junior